LIVROS E BICHOS

Este é o blog da Tércia Montenegro, dedicado preferencialmente a livros e bichos - mas o internauta munido de paciência também encontrará outros assuntos.

sábado, 27 de março de 2010

Trechos de Ortega y Gasset

“As nossas convicções mais arraigadas, mais indubitáveis, são as mais suspeitas. Constituem o nosso limite, os nossos confins, a nossa prisão. Pouca coisa será a vida se nela não arfar um esforço formidável de alargamento das suas fronteiras. Vivemos na proporção em que ansiamos por viver mais.” (p.54)

“O poeta começa onde o homem acaba. O destino deste é viver o seu itinerário humano; a missão daquele é inventar o que não existe. (...) O poeta aumenta o mundo. (...) Autor vem de auctor, aquele que aumenta.” (p.58)

“A metáfora é provavelmente a potência mais fértil que o homem possui. A sua eficiência chega a raiar os confins da taumaturgia e parece uma ferramenta de criação que Deus deixou esquecida dentro de uma das suas criaturas na ocasião em que a formou, como o cirurgião distraído deixa um instrumento no ventre do operado. (...) É verdadeiramente estranha a existência no homem desta atividade mental que consiste em substituir uma coisa por outra, não tanto no esforço de chegar à segunda como no intento de se esquivar à primeira. A metáfora escamoteia um objeto mascarando-o por meio de outro, e não teria sentido se não víssemos nela um instinto que induz o homem a evitar as realidades.” (pp.59-60)

“A relação da nossa mente com as coisas consiste em pensá-las, em formar ideias delas. Em rigor, não possuímos do real senão as ideias que dele tenhamos conseguido formar. Estas são como o belvedere de onde vemos o mundo.” (p.62)

ORTEGA Y GASSET, José. A desumanização da arte e outros ensaios de estética. Coimbra: Almedina, 2003.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Vim te salvar da praga de que tu falou na postagem anterior. Assisti a um filme bacaníssimo, com reflexões super felizes sobre a (re)criação, na arte etc. "The brothers Bloom", ou, em português, "Vigaristas" - não confundir com "Os vigaristas". Acho que super vale a pena. Ei! dá uma passadinha no meu blog - http://finoetravoso.wordpress.com Beijos! Até terça. ^^

    Caio.

    ResponderExcluir